quinta-feira, setembro 08, 2011

Mindinho

Topo in NALGA
O convite chegou, inesperado, mas aceitei-o imediatamente (obrigado Paulo, obrigado Nuno). Tratava-se de acompanhar um grupo que tem participado activamente na exploração de diversas grutas e algares e que precisava de ajuda no apoio a uma equipa de mergulhadores para uma exploração na gruta do Mindinho. Para além do equipamento usual disseram-me para levar o fato de mergulho.

E só posso dizer que foi um espectáculo. E que me preparo para a terceira visita.

A gruta não é grande, mas é suficientemente desafiadora para que a tenha abordado com todos os cuidados. A primeira, realizada no dia 20 de Agosto, foi para mim uma estreia neste tipo de cavidades. Muita água e muita lama tornaram-na mesmo uma estreia fantástica.

O objectivo desta visita era verificar o estado dos sifões que tinham sido entretanto esvaziados e drenar um novo sifão após a respectiva exploração pelo mergulhador (o S7 no topo anexo - original aqui). A progressão foi fácil, mas logo no inicio, na travessia de uma galeria bem baixa (S1 - um antigo sifão, agora vazio) a lama fez a sua gloriosa aparição. Perdi logo ali qualquer esperança de me manter seco e limpo ... 

Na passagem do primeiro poço (um P8), desci directamente para um pequeno lago. Foi interessante já que como não vi por onde seguiram os colegas que me antecederam, saí da corda mesmo no meio do lago e tive oportunidade de perceber que tem cerca de 1,30 de profundidade (bendito fato de mergulho). É claro que havia forma mais fácil e menos molhada, porque lateralmente existiam umas pedras submersas que permitiam atravessá-lo sem o mergulho. Serviu de praxe...

A gruta terminava no sifão que se pretendia ultrapassar. O mergulhador (António Mendes do NEUA) fez a exploração trazendo notícias de várias dezenas de metros de galeria seca depois do sifão, pelo que os olhos de todos brilharam com a expectativa.

A visita de 3 de Setembro teve como objectivo ultrapassar este obstáculo e explorar/cartografar as galerias seguintes. Desta vez fui integrado numa equipa liderada pelo Orlando Elias que tinha como função seguir bem rápido até ao sifão (desta vez não mergulhei no poço) ultrapassá-lo e explorar as galerias seguintes preparando-as para a equipa que iria realizar os levantamentos topográficos.

O sifão tinha enchido e tínhamos 10/15cm livres acima da linha de água na galeria . Mais uma estreia. Mas a sensação de passar para um local que muitas poucas pessoas tiveram o privilégio de pisar, a sensação de estar a contribuir para a exploração de um espaço que se tem mantido inacessível ultrapassa tudo. Não descrevo mais acerca do que vimos mas recomendo vivamente que para acompanharem a descrição dos trabalhos, com a cartografia e a lista de todos os participantes nestas visitas leiam o site dedicado a este tema no blog do NALGA.






1 comentário:

nalga disse...

Em breve os resultados dos trabalhos vão ser divulgados, nem poderia ser feito de outra forma. Um muito obrigado pela tua ajuda e parabéns pelo blogue.
Membro Suspenso.